/ / 4 dicas para turbinar seu cérebro e dobrar seu desempenho nos estudos

4 dicas para turbinar seu cérebro e dobrar seu desempenho nos estudos

Foto por Gerd Altmann/Pixabay

Já escrevemos artigo explicando que o domínio de uma arte não se realizar apenas de modo direto, mas também indiretamente, dia após dia, no conjunto de atividades que fazemos. Neste artigo você encontrará sugestões de atividades que ajudarão a turbinar seu cérebro de forma prazerosa. As dicas a seguir são elementos que atuam, basicamente, como uma ginástica cerebral, tornando-o cada vez mais saudável, ágil e potente. Vamos lá.

1 – Revistas de Passatempo

Destinam-se a fornecer jogos inteligentes, que podem ser realizados de modo individual ou coletivo, nas horas de lazer. São as conhecidas palavras cruzadas, caça palavras, jogo dos sete erros, jogo da memória, sudoku e tantos outros. Os benefícios de se fazer estas atividades habitualmente são vastos, e por isto citamos somente alguns:

  • melhora a memória;
  • aumenta o poder de visualização;
  • expande o vocabulário;
  • traz mais agilidade no pensamento e na resolução de problemas;
  • deixa-nos mais suscetíveis a termos insights e a confiarmos em nossa intuição;
  • fortalece o raciocínio lógico;
  • potencializa a atenção e a concentração;
  • rejuvenesce o cérebro;
  • aumenta a confiança na tomada de decisões, na organização de dados, além de favorecer a aprendizagem.

2 – Quebrar hábitos e rotinas

Nossos cérebros funcionam a base de padrões. Ao realizarmos sempre os mesmos hábitos e rotinas, acabamos por limitar os estímulos cerebrais e, assim, a não ajudar no fortalecimento e desenvolvimento cerebral. Com o passar dos anos perdemos, natural e inevitavelmente, neurônios, restringindo as sinapses, que são os locais de contato entre os neurônios em que ocorre a transmissão de informações entre as células. Quando oferecemos novidades para o cérebro nós quebramos os padrões a que ele está acostumado, estimulando, por isto, novas sinapses, maneiras diferentes dos neurônios se comunicarem. Isto, por si só, fortalece e desenvolve o cérebro. Atividades que deem um “nó” em nosso cérebro estimulam novas sinapses, fortalecem e ampliam sua elasticidade. Algumas dicas são:

  • Tomar banho de olhos fechados;
  • Vestir-se de olhos fechados;
  • Ler revistas e livros virados de cabeça para baixo;
  • Decorar poesias e recitá-las;
  • Ler em voz alta, usando diferentes entonações;
  • Fazer trajetos diferentes;
  • Pegar um barbante e, com uma só mão, fazer nós em um determinado tempo, depois realizar o mesmo com a outra mão;
  • Escovar os dentes com a mão não dominante;
  • Escrever ou desenhar com a mão não dominante;
  • Usar o mouse para desenhar, jogar ou navegar pela internet usando a mão não dominante;
  • Chutar, conduzir ou petecar bola de futebol com a perna não dominante;

Existem aplicativos que quebrarão os paradigmas que seu cérebro está acostumado e vão gerar novas sinapses. Destacamos, entre os vários, o aplicativo Lumosity, que foi criado por uma equipe de neurocientistas, visando afiar seu cérebro com mais de 20 exercícios que desafiam a memória, atenção, flexibilidade, velocidade e solução de problemas. Está disponível na versão gratuita e na premium, e sua promessa é render bons resultados com práticas diárias de apenas 15 minutos.

Há também cursos baseados na neuróbica, que é uma espécie de ginástica para o cérebro que tem o objetivo de desenvolvê-lo de modo equilibrado e plenamente. (PROCURAR ALGO SOBRE)

3 – Fazer meditação de meditação

O termo meditação vem do latim, “meditare”, e significa estar em seu centro, voltar-se para o próprio centro. Há várias formas de se meditar. Entretanto, a ideia é nos libertar da mente e do seu processo de constante julgamento e inquietação, de todo fluxo de pensamento. Ao meditarmos nos transformamos em observadores de nós mesmos. Desse modo não precisamos refletir sobre os sentimentos, sensações, imagens ou pensamentos que tivermos, mas somente aceitá-los, vivenciá-los, deixando-os, assim como vieram, irem embora, sem forçar nada.

A sugestão básica é sentar em uma cadeira com uma postura ereta e confortável, fechar os olhos e respirar calmamente, focando nossa atenção somente no processo de inspiração e expiração. Desnecessário dizer que não se aprender a meditar do dia para a noite. É preciso esforço, paciência e persistência, respeitar os próprios limites e ir avançando na meditação paulatinamente. Quem pratica com regularidade meditação sabe dos aspectos positivos que ela proporciona. Abaixo, listamos alguns:

  • Libera o estressa acumulado e previne o estresse futuro;
  • Melhora a qualidade do sono;
  • Reduz a ansiedade;
  • Aumenta os níveis de energia do corpo;[1]
  • Combate a depressão;
  • Melhora o humor e o sistema imunológico;
  • Gera estabilidade emocional;
  • Melhora a atenção e a concentração;
  • Diminui a tensão corporal e emocional, tornando-nos mais relaxados;
  • Acelera a capacidade de processamento cerebral;
  • Auxilia na recuperação da memória;
  • Deixa-nos menos inquietos e impacientes;
  • Melhora a postura corporal e a respiração;
  • Cria novas sinapses cerebrais;
  • Melhora o relacionamento pessoal e interpessoal.

4 – Realizar atividade física

Mens sana in corpore sano. Esta é uma afirmação do poeta romano Juvenal a respeito do que as pessoas deveriam desejar na vida: “Deve-se pedir em oração que a mente seja sã num corpo são”[2]. Quando falamos de pessoas que se dedicam a atividade física ou a atividade intelectual, parece, não raro, haver uma total desconexão entre estas partes. É como se o corpo e a mente fossem elementos separados, sendo um mais importante que o outro, e não coisas que, embora diferentes, precisam uma da outra para se desenvolver de modo pleno e equilibradamente[3].

Existem pessoas que só fazem estudar, comer e dormir, até passarem no vestibular ou concurso público. Esta fórmula pode até dar certo para algumas poucas pessoas, porém, para a grande maioria, é indispensável unir aos estudos níveis de atividade física para diminuir nosso estresse, tensão, gerar um sono melhor e criar mais resistência, concentração e energia para estudar.

A atividade física pode ser realizada tanto em momentos dedicados somente para ela, como também junto aos estudos: quando o cérebro cansar ou for dominado pelo sono ou a desconcentração, levante-se da cadeira, estique o corpo, alongue-se ou faça uma breve caminhada. Perceberá que isto pode ser o suficiente para afugentar o sono, retomar a energia e voltar com mais gás para os estudos.

Não veja o momento de atividade física como perde de horas de estudo. Ao contrário, entenda-o como um preparatório para seu corpo te permitir estudar com mais qualidade, energia, concentração e resistência. E, importante, não precisamos virar super atletas para isto acontecer. Realize atividades que goste, sinta prazer, seja caminhar, correr, jogar vôlei, basquete, futebol, andar de bicicleta ou qualquer outra ATIVIDADE. O que os estudos indicam é que o mais importante é realizar as atividades físicas de modo regular, cerca de três vezes por semana, para obter bons resultados. Entre os benefícios, destacamos:

  • Manter o corpo, como um todo, saudável;
  • Aprimorar a agilidade, coordenação motora e os reflexos;
  • Aliviar o estresse, as tensões físicas e mentais;
  • Melhorar quantitativa e qualitativamente o sono;
  • Dar sensação de bem-estar;
  • Melhorar a postura e a respiração;
  • Preparar o corpo para a maratona de estudos ou de provas;
  • Fortalecer a musculatura (fundamental para quem deseja passar horas, sentado, estudando ou realizando uma prova).

Quer obter mais dicas para turbinar seu cérebro e dobrar seu desempenho nos estudos?


[1] Imagem disponível em: http://awebic.com/humor/qual-e-o-resultado-de-1-mes-de-meditacao-diaria-fotografo-mostra-beneficios-em-fotos-antes-e-depois/

[2] https://pt.wikipedia.org/wiki/Mens_sana_in_corpore_sano

[3] Imagem disponível em: http://saude.agenciasuriname.com/estudo-e-atividade-fisica/

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *